Apagão livra o Crato Esporte Clube de mais um vexame

O jogo foi ontem à noite, no estádio Mirandão, com portões fechados para o torcedor. Arquibancada vazia denunciava mais uma mancada, desleixo ou desprezo da administração municipal com o esporte, especialmente, o futebol profissional. Pelo quarto ano consecutivo, o torcedor cratense não sentiu o prazer de ver seu time jogando dentro de casa nas primeiras partidas da competição. Os laudos dos órgãos responsáveis pelas vistorias não foram favoráveis, exigências não cumpridas e a Federação Cearense de Futebol  permitiu que o time jogasse em casa, porém sem a assistência de sua torcida.
O medo de tomar uma goleada do Ferroviário atormentava o torcedor, pois o Tubarão da Barra do Ceará já havia massacrado na rodada anterior outro representante caririense, o Campo Grande de Juazeiro do Norte, pelo placar de 10 a 0, e esta “fome de gol” podia não ter passado, como não passou, fazendo com que o time cratense fosse a próxima vítima. Ainda bem que faltou energia e fomos salvos pelas trevas. Ademais, o Azulão da Princesa já tinha sido alvo de chacotas na sua estreia diante do novato Floresta, na capital cearense. Naquela ocasião, foi a campo com cinco jogadores e perdeu por W.O, além de ser multado pela situação constrangedora. Os comentários jocosos tomaram de conta das redes sociais e dos veículos de comunicação do Estado.
Para a surpresa de quem acompanhava pelo rádio, os meninos do treinador Roni se comportaram bem durante o jogo, saíram na frente, perderam o goleiro (o único na posição), improvisaram um jogador de linha e suportaram a pressão até os vinte e seis minutos do segundo tempo. Depois disso, permitiram a virada do Ferroviário que a cada três minutos fez um gol atrás do outro e saiu de um 1 a 1 para 4 a 1, quando ocorreu um apagão no estádio, partida paralisada e encerrada antes do tempo normal. Ufa! Que a escuridão de ontem dê lugar à luz para que o Crato entre nos trilhos e possa fazer voos rasantes nos gramados cearenses!
Renúncia?
Após o jogo, o comentário que rolou nos microfones da rádio Educadora – 1020 foi de que a atual diretoria estava disposta a renunciar por não dispor de recursos para continuar no campeonato. Se isso acontecer, espera-se que os novos dirigentes consigam elaborar um plano para salvar o Azulão da degola, com o apoio da atual gestão municipal que ainda não acenou com nenhum recurso e dos empresários (pequenos, médios e grandes) da cidade. Ao torcedor só resta aguardar que o estádio seja liberado e o time passe a ter um melhor desempenho na competição.
(Fotos: site da FCF e sobreospassaros)

Postar um comentário

0 Comentários