Aprovada em Direito descobre vocação ao participar de debates escolares na rede estadual


A leitura e a escrita são paixões declaradas de Ingrid Louhanna Santos, natural do município de Aurora, na região do Cariri. Aos 17 anos e recém aprovada no curso de Direito da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, e o curso se dará no campus localizado no município de Sousa-PB.
A jovem alimenta o sonho de, um dia, ser juíza, e o primeiro passo nesta direção foi dado, enquanto ela se organiza para mudar de cidade e de vida. Ingrid concluiu a educação básica na Escola de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTI) Tabelião José Pinto Quezado, pertencente à rede pública estadual, e realizou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019.
O desafio de morar distante dos pais, assumir novas rotinas e responsabilidades, a princípio, gerou-lhe apreensão. Mas, estando prestes a iniciar a nova etapa, o sentimento transformou-se em anseio e então a jovem revelou não ver a hora de ser universitária. “Primeiramente estava triste por ter que me separar dos meus pais. Sou muito apegada a eles. Mas, quando visitei a cidade, andei pelas ruas, conheci minha futura casa e fui até a Universidade, fiquei ansiosa para começar”, conta.
Ingrid é a primeira da família a conseguir acesso ao Ensino Superior. Embora seus pais não tenham dado sequência aos estudos, sempre incentivaram a filha a seguir adiante, oferecendo o suporte necessário para que obtivesse êxito. “Por eles não terem conseguido, sempre me aconselharam, dizendo que não queriam que eu passasse pelo que eles passaram. Fico extremamente feliz e orgulhosa em mudar essa tradição, ciente de que estou dando retorno por tudo o que meus pais fizeram por mim, em todos esses anos”, admite.
Objetivo
“Quero terminar o Ensino Superior e estudar para concursos, com foco no de juíza. Acho que vai ser cansativo, mas pretendo me dedicar e dar meu máximo, como sempre fiz, para concluir bem. Assim como fiz no Ensino Médio”, projeta a jovem.
A escolha da profissão não veio por acaso. Quando cursava a 1ª série, Ingrid ficou sabendo que alguns alunos da 3ª série organizavam debates semanais na escola, a respeito de temas variados, que estavam em voga na sociedade. “Um dia me interessei em ir. Na primeira vez fui para assistir, mas já quis participar, debater, defender meu ponto de vista. Então, conversei com as realizadoras e passei a participar da banca, defendendo ou acusando o tema proposto”, relembra. Dali por diante, o gosto pela argumentação de ideias só fez aumentar.
Bruno Mota - Texto e Foto

Postar um comentário

0 Comentários