A explosão do Pocast

Seminário debate formulação de dossiê da Chapada do Araripe para campanha de reconhecimento da Unesco

Foto: Governo do Ceará

Termina nesta sexta-feira (13) o II Seminário Patrimônio da Humanidade Chapada do Araripe, na sede da Fundação Casa Grande, em Nova Olinda, Ceará. O evento faz parte de uma agenda que pretende reunir esforços para a conquista do reconhecimento da Chapada do Araripe como Patrimônio da Humanidade junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Berço de diversas manifestações culturais do país, a região transborda arte e memória, sendo um lugar onde a ancestralidade se expande e se conserva. De acordo com Alemberg Quindins, gerente de cultura do Sesc Ceará, a localização geográfica tem forte influência nesse contexto, já que o Cariri cearense está localizado no entorno da bacia sedimentar do Araripe, fazendo divisa com os estados de Pernambuco, Piauí e Paraíba.

“Nesse território onde a natureza se faz presente de forma diversificada e rica, estamos realizando mais uma ação com pesquisadores para esclarecer o processo da construção do dossiê da Chapada do Araripe como Patrimônio da Humanidade junto à Unesco, título mais importante no sentido de salvaguarda cultural e natural”, explica Alemberg.

Recentemente, a área que engloba a Chapada do Araripe, foi reconhecida como Paisagem Cultural do Ceará, etapa exigida pela Unesco para a candidatura a patrimônio em nível mundial. Em seguida, ocorre a inclusão da Chapada do Araripe na lista nacional dos patrimônios, junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) prevista até fevereiro de 2022. 

Especialistas apontam que a salvaguarda do território pode possibilitar diversos benefícios para a região, como a promoção do Turismo Científico atraído pelo Geopark Araripe e Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, o tradicional turismo religioso e o turismo comunitário.

Importantes atributos físicos, biológicos e antropológicos do território foram ressaltados pelos pesquisadores, como riquezas que justificam a salvaguarda da Chapada do Araripe. Dentre elas, uma “geologia fantástica e diversificada; solos classificados como extraordinariamente interessantes em função das espécies; a possibilidade de os jovens locais não precisarem abandonar a região para estudar e seguir carreiras profissionais; e a ocorrência do  Soldadinho-do-Araripe, ave ameaçada de extinção endêmica da Chapada do Araripe.

Exigido pela Unesco para a candidatura de Paisagem Cultural, o documento, que mapeará os patrimônios culturais, históricos e naturais da região, será formulado posteriormente em uma iniciativa conjunta entre o Sistema Fecomércio, por meio do Serviço Social do Comércio do Ceará (Sesc-CE), Fundação Casa Grande, Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (Secult), Universidade Regional do Cariri (Urca) e Instituto Cultural do Cariri (ICC).

Fonte: Ascom da Mostra Sesc Cariri de Culturas


 

Postar um comentário

0 Comentários