Seminário promovido pelo MPF/CE vai subsidiar plano de ação para Saúde em Juazeiro do Norte

Com a área da saúde sob intervenção desde abril passado, o município de Juazeiro do Norte (CE) enfrenta graves problemas para oferecer serviços adequados para a população. Em busca de atendimento, muitas pessoas ingressam com ações na Justiça ou com denúncias nos Ministérios Públicos ou nas Defensorias Públicas. A judicialização da saúde foi tema um seminário promovido, na cidade, pelo Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE), nessa terça-feira, 19 de maio.
Profissionais das área de Direito e Saúde que trabalham em órgãos públicos em Juazeiro do Norte discutiram formas de amenizar os impactos gerados pela judicialização e pelo não cumprimento de decisões judiciais na gestão e na qualidade dos serviços do setor.
Para o procurador da República Rafael Ribeiro Rayol, para evitar que o cidadão busque na Justiça o tratamento que é assegurado pela Constituição Federal, o Município precisa primeiro garantir transparência na prestação dos serviços. "Quando não for possível oferecer o tratamento, que não só encaminhem, mas que possam dar repostas aos pacientes, informando como está o agendamento da consulta, da cirurgia, o pedido de medicamento", explicou. "É preciso fazer com que a população tenha confiança no sistema de saúde", completou.
A audiência contou com a participação do subprocurador-geral da República e procurador federal dos Direitos do Cidadão Adjunto, Humberto Jacques, e da doutora em Saúde Pública e professora da Universidade Federal Vale do São Francisco Ângela de Oliveira Carneiro, auditora nomeada pela Justiça Federal para coordenar, junto com o MPF, o trabalho de intervenção em Juazeiro do Norte.
Jacques destacou que outras cidades brasileiras que contam com recursos financeiros, rede de atendimento e estrutura acadêmica semelhantes aos do município cearense conseguem oferecer serviços de saúde de melhor qualidade. O subprocurador-geral ressaltou que os municípios são os principais "atores" no atendimento, pela proximidade com a população, mas que os Estados e a União são também responsáveis pela saúde.

"Um dos problemas enfrentados na saúde é que a Justiça joga para os municípios obrigações de outras instâncias", disse.
A secretária de Saúde de Juazeiro do Norte, Marcleide do Nascimento, destacou as dificuldades enfrentadas pela gestão para atender ordem judiciais, que, em alguns casos, têm prazos curtos de cumprimento - de 24 horas, por exemplo. Rafael Rayol propôs aos operadores de Direito que exijam dos médicos e pacientes que apresentem justificativas técnicas para a escolha de tratamentos e medicamentos não cobertos pela rede pública, antes de ingressarem com ações na Justiça ou no julgamento de ações do tipo.



Entenda o caso
- Em fevereiro de 2015, o MPF em Juazeiro do Norte propôs ação civil pública contra a prefeitura do município, Estado do Ceará e União, requerendo a nomeação de um auditor judicial para supervisionar todas as decisões da Secretária de Saúde da cidade, incluindo as ordenações de despesas, e para elaborar um plano de ação. A Justiça Federal atendeu o pedido do MPF. "O plano vai garantir um serviço mínimo adequado para a população, porque hoje está um colapso total", afirma Rayol.

O seminário promovido nessa terça-feira é etapa integrante da elaboração de plano de trabalho que visa corrigir irregularidades envolvendo a prestação do serviço de saúde à população do município. Durante o período da auditoria, a prefeitura de Juazeiro do Norte fica impedida de fazer qualquer movimentação financeira de verbas da saúde sem autorização prévia da auditora.
Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Ceará


Postar um comentário

0 Comentários