CRATO, 252 ANOS!

Raros são os lugares onde se misturam profundidade histórica, riqueza cultural e belezas naturais. O Crato é um desses pedaços abençoados. 
Centro de construção civilizatória é aqui o nascedouro da chama que arde e alimenta os ideais de liberdade e o espírito desenvolvimentista que move o Cariri cearense. A inserção gloriosa na Confederação do Equador e o exemplo de solidariedade do Caldeirão do Beato José Lourenço são referências emblemáticas da importância do Crato na vida nacional.
Fundado por Frei Carlos Maria de Ferrara, é berço do poeta Cego Aderaldo, do padre Cícero Romão Batista, do artista Abidoral Jamacaru, do jornalista e historiador José de Figueiredo Filho, do xilógrafo Walderêdo Gonçalves, dos mestres da família Aniceto, Dedé de Luna, do cordelista Correinha, do irreverente poeta Zé de Matos, dos atores Salviano Saraiva, José Correia e Orleyna Beija Flor, do folclorista Elói Teles, do poeta Dedé França... Acolheu como filhos a heroína brasileira Bárbara de Alencar, o diácono José Martiniano de Alencar, o bravo Tristão Gonçalves, o padre Antonio Gomes de Araújo, o rei do baião Luiz Gonzaga e Patativa do Assaré - o maior dos poetas.   
Ostenta com galhardia o título de Capital da Cultura, outorgado pela história e representado honrosamente nas tradições populares e folclóricas, no teatro, poesia, música, canto, dança... Resultantes do legado original de três mundos caldeados: o ameríndio, o ibérico e o africano.
Seguindo estratégia divina, recebe o generoso abraço da Chapada do Araripe, fonte inesgotável de mitos, lendas, e relicário de fauna, flora e águas que se estendem como um sagrado manto a festejar a vida.
Hoje o Crato amarga uma das mais caóticas administrações de todos os tempos, marcada principalmente pelo desmonte moral, sucateamento e dilapidação dos bens públicos.
Urge, pois, resgatarmos a autoestima dos/as cratenses, restabelecer o zelo com as finanças e o patrimônio, primar pela eficiência da gestão e garantir democracia participativa. 
A tarefa de derrotar o arcaísmo antipopular das elites conservadoras e a corrupção desenfreada dos poderosos de plantão exige uma ampla mobilização popular em defesa de um programa político-administrativo construído com os movimentos sociais do campo e da cidade.
 Avante, Crato!
Cacá Araújo
Professor, Dramaturgo e Folclorista
(Foto de Thallys Moreira)


Postar um comentário

0 Comentários