Nota de Repúdio à Violência - Observatório da Violência e Direitos Humanos da Região do Cariri

Observatório da Violência e Direitos Humanos da Região do Cariri, da Universidade Regional do Cariri (URCA), vem por meio desta nota, manifestar total repúdio a qualquer forma de violência contra a mulher e, ainda, a todas as outras formas de violação aos Direitos Humanos no âmbito e fora da Universidade, de natureza racial e étnica, social e econômica, de gênero, de orientação sexual, diversidade religiosa, dentre outros. Esses episódios de discriminação e preconceito são demonstrativos de uma cultura machista, racista, patriarcal e heteronormativa que segrega pessoas, desrespeitando-as e endossando as estatísticas de violência contra as populações supra citadas.

É lamentável que episódios de violência se façam presentes nos diversos espaços da sociedade, como o acadêmico. Para além desse cenário, intimidações e ataques virtuais ganham gradativamente força no tocante à repressão e desqualificação de mulheres, LGBT's, pessoas negras e tantas outras que sofrem com a não consolidação de seus direitos. Essa modalidade de violência se manifesta através de agressões psicológicas por meio da internet (difamação, humilhação, ameaça, dentre outras). Xingamentos misóginos, LGBTfóbicos e racistas evoluem para ameaças ou exposições graves. Não compactuamos com estas lamentáveis práticas e reafirmamos o nosso ensejo de luta e força para romper com esse ciclo repetitivo de episódios de violência.

Acreditamos na construção de uma sociedade pautada pelo respeito à dignidade humana e sua diversidade e por uma Universidade que prima por valores sociais de respeito às diferenças e boa convivência na pluralidade de seus indivíduos, com conseqüente formação de profissionais adequados ao que a sociedade brasileira espera, profissionais estes que sejam capazes de unir a competência técnica e o conhecimento científico com a ética e o respeito aos direitos humanos.

O Observatório da Violência e dos Direitos Humanos da Região do Cariri (URCA) reitera a luta para que todas as pessoas, a luz do cumprimento da lei, tenham preservado o seu direito fundamental mais elementar: a vida e o respeito que tem em cada pessoa o mesmo valor.

E não estamos sozinhos nesta empreitada.

Observatório da Violência e Direitos Humanos da Região do Cariri

Universidade Regional do Cariri (URCA)

Postar um comentário

0 Comentários